16 de outubro de 2015

PGR diz haver indícios de que contas de Cunha são 'produto de crime'

A Procuradoria Geral da República (PGR) informou nesta sexta-feira (16) haver “indícios suficientes” de que as contas do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no exterior são “produto de crime". De acordo com a PGR, entre 2002 e 2014, a evolução patrimonial do parlamentar foi de 214%.

Na noite desta quinta-feira (15), o ministro do STF Teori Zavascki autorizou a abertura de um novo inquérito para investigar Cunha. O pedido de investigação tinha sido formulado mais cedo pela PGR, que quer apurar suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro em razão de quatro contas na Suíça atribuídas ao parlamentar.

"Atualmente, o patrimônio declarado dele [Cunha] é de R$ 1,6 milhão, conforme suas declarações de patrimônio à Justiça Eleitoral. Em 2002, o valor declarado era de R$ 525.768,00. Para o procurador-geral em exercício, há indícios suficientes de que as contas no exterior não foram declaradas e, ao menos em relação a Eduardo Cunha, são produto de crime", diz nota divulgada nesta sexta pela PGR. (G1)