1 de outubro de 2015

'Fora Cunha' ganha novo fôlego com denúncia de contas secretas na Suíça

Os deputados que defendem o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-­RJ), do cargo, voltarão a fazer barulho nesta quinta­-feira (1º). O movimento ganhou novo fôlego após o Ministério Público da Suíça enviar ao Brasil dados de contas bancárias que, afirma, pertencem ao peemedebista e sua família. Após a ordem do dia, um grupo de deputados, liderados pelo PSOL, exigirá mais uma vez de Cunha explicações sobre as denúncias contra ele.

"É inadmissível que a Câmara silencie sobre um ato de tal gravidade. O presidente adotou como estratégia se calar, porque, provavelmente, não tenha como se explicar", afirmou o líder do PSOL, deputado Chico Alencar (RJ). Eles também segurarão cartazes com os dizeres: "Cunha não nos representa na Itália, na $uíça e nem aqui" – assim mesmo, trocando a letra S pelo símbolo do cifrão. Nesta quarta, Cunha negou­-se a dizer se tinha contas no país europeu. Em março, durante depoimento à CPI da Petrobras, ele disse não ter conta no exterior.

Hoje, até mesmo deputados aliados ao presidente da Câmara confirmaram que está cada vez mais difícil se manter ao lado do peemedebista. A bancada do PSOL já anunciou intenção de ingressar com pedido de perda de mandato de Cunha no Conselho de Ética, caso o STF o transforme em réu. Nesse caso, partidos como o PPS, que até o momento mantém postura isenta, afirmam que apoiarão a causa. O pedido de cassação é analisado por um relator, eleito no conselho. O parecer apresentado por ele é votado na comissão e segue, na sequência, para o plenário, onde precisa ser avalizado por maioria simples, 257 deputados. (Folha)