11 de agosto de 2015

CNA e Embrapa devem fazer estudo sobre caprinovinocultura em Bonfim

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Senar e a Embrapa Caprinos e Ovinos serão parceiras em um estudo abrangente sobre a cadeia de caprinovinocultura, produzido pelo programa Campo Futuro. Serão estudadas cinco regiões criadoras do País, entre elas a Bahia, onde os estudos devem ser realizados em Senhor do Bonfim e Juazeiro. O objetivo é conhecer as características da produção desses polos, auxiliando, com isso, produtores e, também, a formulação de políticas públicas. 

Na Bahia são 57.282 propriedades de criação de caprinos e 96.576 de ovinos, formando o primeiro e o segundo maior rebanho do País, respectivamente. A ovinocaprinocultura é típica do semiárido e o potencial dela, na região, ficou mais evidente após a recente estiagem. Essa cadeia tem forte tradição na agricultura familiar, que corresponde a mais de 80% dos criadores. Essa representatividade e a interação da cadeia com a indústria e o comércio, em alguns polos, colocaram o estado entre os estudados. "Pode ser benchmarking para outros locais", diz o pesquisador da Embrapa Caprinos e Ovinos, Juan Ferelli.

O projeto Campo Futuro se dá em parceria com instituições de ensino, pesquisa e sindicatos rurais, para gerar informações sobre commodities e cadeias produtivas, para acompanhar a evolução dos custos de produção nos principais polos produtores da agropecuária brasileira. Atualmente, o projeto já acompanha indicadores de conjuntura e de desempenho da aquicultura, cana-de-açúcar, café, fruticultura, grãos, bovinocultura de corte e de leite. Alia capacitação do produtor rural à geração de informação para a administração de riscos de preços, de custos e de produção na propriedade rural. Para cada cadeia produtiva, o Campo Futuro busca conhecer os fatores determinantes da oferta e demanda dos produtos e outros elementos do mercado que influenciam o comportamento dos custos e preços. (Com informações do A Tarde)