19 de fevereiro de 2015

Apreensão de cerveja ‘não oficial’ chega a 1,2 milhão de latinhas em Salvador

A apreensão de latinhas de cervejas de marcas que não patrocinam o Carnaval de Salvador triplicou e chegou a 1,2 milhão de unidades. Em vigor desde 2014, o sistema de exclusividade —baseado no modelo usado pela Fifa na Copa do Mundo— permite que apenas bebidas de patrocinadores sejam vendidas por ambulantes nos três circuitos da festa. Neste ano, a Itaipava, teve exclusividade no circuito do Campo Grande e Pelourinho. Já Schin, ficou com o Barra-Ondina.

Para ter a exclusividade, cada cervejaria pagou R$ 10,5 milhões para a Prefeitura de Salvador —cerca de 73% dos R$ 28,8 milhões em patrocínio arrecadados para a festa. Cerca de 80% das apreensões são de produtos da Ambev —maior empresa de bebidas do país, que patrocinou apenas blocos e camarotes no Carnaval da capital baiana.

Oficialmente, as duas principais cervejarias que patrocinaram o Carnaval não falam em números da festa. Mas a Folha apurou que elas venderam 25 milhões de latinhas —aumento médio de 10% em relação a 2014. Os produtos confiscados serão liberados mediante uma multa de R$ 1 por latinha, paga pelo dono da mercadoria apreendida. (Folha)