12 de agosto de 2014

Aécio evita falar sobre alta da gasolina e fala de "realinhamento de preços"

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, evitou responder sobre que medidas práticas irá tomar, caso eleito, durante em entrevista dada ao "Jornal Nacional" na noite desta segunda-feira (11). Quando questionado sobre medidas que tomaria em relação a preços controlados pelo governo federal, casos da gasolina e da energia elétrica, para "arrumar a casa" caso seja eleito presidente, ele foi evasivo e manteve o que tem dito "em todos os fóruns": "Respondo com absoluta clareza e começando do final: no meu governo vai haver previsibilidade em relação a essas tarifas e em todas as medidas do governo", disse.


"Vamos tomar as medidas necessárias. É óbvio que nós vamos ter que viver um processo de realinhamento desses preços. Quando e como, obviamente é quando você tiver os dados sobre a realidade do governo é que você vai estabelecer isso. Não vou temer tomar as medidas necessárias para controlar a inflação, retomar o crescimento e principalmente a confiança perdida no Brasil." Aécio voltou a defender o corte de ministérios para enxugar o tamanho do Estado, sem, novamente, especificar quais ministérios irão ser abolidos.