21 de julho de 2014

Ministério Público vai apurar caso de Aeroporto construído por Aécio Neves

O Ministério Público de Minas Gerais vai abrir inquérito civil para examinar a construção do aeroporto de Cláudio, a 150 km de Belo Horizonte, numa propriedade de um tio de Aécio Neves, o fazendeiro Múcio Tolentino. A obra foi executada pelo Estado quando Aécio era o governador. O objetivo, segundo o promotor Eduardo Nepomuceno, é colher elementos para uma possível ação civil pública.


O Estado de Minas Gerais desembolsou R$ 13,9 milhões na construção de um aeroporto em uma fazenda que pertence a um parente do candidato do PSDB à Presidência, senador Aécio Neves. A obra teve início no segundo mandato do tucano como governador do Estado. O senador, sua mãe e suas irmãs são proprietários de uma fazenda situada a seis quilômetros do aeroporto. Concluído em 2010, o terminal ainda não foi homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para uso público, e o acesso é controlado pelos donos da fazenda. O senador Aécio Neves visita a fazenda da família "seis ou sete vezes" por ano e vai sempre de avião, segundo Tolentino.

O caso virou escândalo e foi manchete da Folha de São Paulo. Vilasa Construtora, que construiu o aeroporto, doou R$ 67 mil para Aécio disputar a eleição para governador em 2006. A informação está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais. Em 2010, quando o aeroporto foi construído, o sucessor de Aécio, Antonio Anastasia, recebeu R$ 20 mil da empresa para sua campanha. O promotor quer saber os fundamentos da desapropriação do terreno de Múcio Tolentino, se houve interesse público que justificasse a decisão do governo estadual de construir o aeroporto, e por que parentes de Aécio controlam na prática o aeroporto, que deveria ser público.