18 de junho de 2014

Salvador conquista gringos, que até passam a torcer pelo Brasil

Foto: Marina Silva
Quase todos mencionam o lugar incrível em que a festa é realizada. O Farol à beira-mar, em pleno pôr do sol, arranca elogios de gente de todo o mundo. Uma gente muitas vezes mais informal que os brasileiros. Estrangeiros que simplesmente deitam no chão sobre cangas, toalhas, papelões ou nada.“É muito fácil conviver com a gente daqui. São pessoas muito felizes. Não acho que na Copa da Rússia vai ser a mesma coisa”, acredita o alemão Jörg Waniek, 45 anos.

Nas palavras dos estrangeiros, o povo que os recebe é que os faz vestir o verde e amarelo. Ainda que não estejam nem aí para o jogo, torcem pelo Brasil. “Sei que a França é rival do Brasil, mas estando aqui é difícil torcer para outro time. Os brasileiros nos conquistaram”, garantiu o francês Marcus Carlier, 30 anos, com chapéu da França e camisa do Brasil. É a festa da mistura.

Inclusive o alemão Florian Ehler, 27 anos. Sua seleção já havia atropelado Portugal na Fonte Nova, mas ele é um tipo comum de estrangeiro da Fan Fest: aquele que, apesar de seu time não estar nem de um lado e nem do outro, torce para o Brasil. Mais ainda, está adorando os baianos e brasileiros. Tanto que, após o lance de Neymar, ele puxa pelo braço a baianinha que havia conhecido na noite anterior e tasca-lhe um beijo. Pelo visto, Florian gosta de futebol, de música e está literalmente apaixonado pelo Brasil. Ainda mais depois de sair do 0x0.

A Suíça só joga em Salvador na próxima sexta-feira, mas o grupo de suíços havia chegado desde o dia anterior. Foi ao Farol para entrar em contato com as pessoas. E exibiam, claro, a bandeira brasileira. “Estamos nos sentindo em casa. O brasileiro é muito animado”, diz Daniel Schubach, 29 anos. “Hoje vai dar Brasil com certeza”, confiava, com mais três amigos.E a Bélgica? Essa sequer joga em Salvador. (Com informações do Correio)