22 de outubro de 2013

Petróleo do campo de Libra vai resultar em mais de R$ 1 trilhão ao Brasil

A presidenta Dilma Rousseff comemorou o leilão da exploração do pré-sal no Campo de Libra, na Bacia de Santos. Segundo ela, “o sucesso do leilão” vai permitir que sejam repassados à União R$ 270 bilhões em royalties, R$ 736 bilhões a título de excedente de óleo sob o regime de partilha e R$ 15 bilhões como bônus da assinatura do contrato. “Isso alcança um fabuloso montante de mais de R$ 1 trilhão”, ressaltou.

A produção total de petróleo do Brasil, em 2013, deverá ficar próxima de 2 milhões e 100 mil barris de petróleo diários. Já o Campo de Libra vai alcançar, sozinho, no seu pico de produção, mais de 1 milhão e 400 mil barris de óleo por dia. Ou seja, daqui a uma década, Libra pode representar, sozinha, 67% de toda produção atual de petróleo do Brasil.

Segundo Dilma Rousseff, o leilão representa um marco na história do Brasil. “Começamos a transformar uma riqueza finita, que é o petróleo, em um tesouro indestrutível que é a educação de alta qualidade”, declarou a presidenta, em referência à aprovação dos 75% dos royalties da exploração do petróleo para a educação. "Em uma década Libra pode representar sozinho 67% de toda a produção atual de petróleo do Brasil", acrescentou.

Após a oferta do leilão, um consórcio formado por cinco empresas – a anglo-holandesa Shell, a francesa Total, as chinesas CNPC e CNOOC e a Petrobras – venceu a disputa. Dos 70% arrematados pelo consórcio, 20% são da Shell e 20% da Total. A CNPC e a Cnooc têm, cada uma, 10%, assim como a Petrobras, que já tinha garantidos 30%.