3 de outubro de 2013

Papa Francisco volta a defender mudança radical na Igreja

No momento em que o papa Francisco dá início à maior reforma da Santa Sé em décadas, o pontífice deixa claro seu ataque contra a estrutura do Vaticano, contra as disputas de poder nos bastidores da Igreja e defende uma reforma radical. “A corte é a lepra do papado”, atacou o papa. Ele chegou até a dizer que Deus tem um conceito que vai além do catolicismo. “Não existe um Deus católico. Há um Deus.” Ele, porém, alerta: “Religião sem misticismo é apenas filosofia”.

O grupo de oito cardeais convocados por Francisco começou a apresentar os detalhes de todas as ideias que nos últimos meses recolheram pelo mundo sobre a reforma da Igreja. O processo será longo. Essa será sua principal obra e ele quer deixar a mudança como seu principal legado, atacando o egoísmo dentro dos muros da Igreja, o fato de a Santa Sé apenas defender seus interesses e um comportamento de bispos que não condiz com o cristianismo. “Esse é o início de uma Igreja com uma organização não tão vertical, mas também horizontal”, apontou o papa, apostando em uma Igreja menos centralizada.

O papa chegou a elogiar alguns membros da Teologia da Libertação tendência que chegou a ser atacada pelo Vaticano, e aponta que foi justamente a perseguição contra esses padres que o politizou. “Isso lhes deu um plus político à sua ideologia, mas muitos deles eram crentes com um alto conceito de humanidade.”