16 de outubro de 2013

A cada R$ 1 do Bolsa Família, consumo final da economia aumenta R$ 1,98

Além de ser a transferência social que mais contribui para o PIB, o Bolsa Família é também aquela que mais pesa no cálculo do consumo das famílias no País. A cada R$ 1 transferido pelo Bolsa Família, o consumo final do total da economia aumenta R$ 1,98, enquanto que os efeitos no consumo final das famílias é ainda maior: de R$ 2,4. A conclusão é do estudo "Programa Bolsa Família: uma década de inclusão e cidadania”, que será lançado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS).


O objetivo de um dos capítulos da pesquisa é avaliar os efeitos do programa sobre a macroeconomia. Para tanto, os pesquisadores Fabio Vaz e Pedro de Souza, além do presidente do Ipea, Marcelo Neri, compararam os impactos do principal programa de distribuição de renda do governo federal com outras seis transferências sociais: os benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), dos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS), do Benefício de Prestação Continuada (BPC), do Seguro Desemprego, do Abono Salarial do PIS/PASEP e dos saques do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

De acordo com o capítulo assinado por Neri, Vaz e Souza, os chamados “efeitos multiplicadores” sobre a economia são maiores quanto mais focalizadas são as transferências para os mais pobres, por formarem famílias com “maior propensão marginal a consumir”. Também por isso, o impacto sobre o consumo das famílias é maior do que sobre o consumo final do total da economia. “Mais do que qualquer outra transferência, o programa beneficia diretamente famílias mais pobres com alta propensão a consumir e, portanto, consegue um efeito multiplicador maior”, escrevem os pesquisadores. No quesito consumo, o Benefício de Prestação Continuada é o que mais se aproxima do Bolsa Família. Cada R$ 1 aplicado no BPC representa um retorno de R$ 1,32 no consumo final da economia e de R$ 1,54 no consumo das famílias.