26 de agosto de 2013

Machado diz que profissionais estão subutilizados na Prefeitura de Bonfim

Em entrevista concedida ao programa Conversa Franca, ontem (25), na Rádio Rainha FM, o ex-prefeito Paulo Machado criticou o governo atual de Senhor do Bonfim e apontou falhas que considera grave na gestão Correia. Para ele, há falta de iniciativa e profissionais competentes da Prefeitura estão sendo subutilizados por questões políticas.



“Tem algumas coisas que até não posso culpar o atual prefeito, porque sei que o dinheiro que entra no município é pouco, apenas três secretarias, de Saúde, Educação e Assistência Social, têm verba certa. O que sobra para o administrativo é pouco e o que se arrecada de impostos no município é ínfimo. Mas o descaso, falta de iniciativa e incompetência que estamos vendo são um grande absurdo. Vendo todo dia noticias em sites, rádio e no boca a boca na rua vejo que esse governo trás de volta velhas mazelas que deveriam ser extintas”, falou Paulo Machado.

Para Machado, um bom exemplo de incompetência administrativa é subutilizar alguns profissionais do Município. “Um bom exemplo de falta de compromisso é a subutilização do senhor Valmir Araújo da Silva. Todo ano Valmir fazia dois cursos de nível nacional em licitações, sendo um dos mais preparados do estado da Bahia. Eu gastava com os cursos cerca de R$ 7 mil, mas tinha um profissional bonfinense, honesto e que conhecia as necessidades do município. A nova gestão contratou uma empresa pra realizar processos licitatórios por cerca de R$29 mil”, lamentou. 

Ainda segundo Paulo Machado, Senhor do Bonfim só soube o que é administração publica quando o ex-prefeito e atual deputado estadual Carlos Brasileiro esteve à frente da prefeitura. “O governo de Brasileiro foi impar! A administração municipal hoje se dá antes e depois de Brasileiro. E me sinto feliz, pois pude contribuir como vice-prefeito e como secretario de Educação. Hoje me arrependo de não ter feito o que Brasileiro fez em seu primeiro ano de governo, realizou concurso publico, dando oportunidade a quem realmente se esforça e tem comprometimento com o Município. Eu faria um concurso para ocupar todas as vagas abaixo de coordenador e secretário. Assim, me livraria de apoios durante a campanha e que só visam o emprego em caso de vitória nas urnas”, afirmou.