29 de julho de 2013

Aumento de renda e concorrência menor levam franquias para o interior

O aumento da renda das classes C e D em cidades do interior baiano e a demanda reprimida por produtos diferenciados têm levado novas marcas que funcionam por meio de franquias a expandir os seus negócios para além da capital. Franquias de setores como alimentação, vestuário e educação começam a se voltar para o interior. Seis empresas ouvidas pelo Correio preveem, juntas, a abertura de pelo menos mais 100 unidades nos próximos cinco anos. Com isso, o investimento privado previsto, por parte dos franqueados, é de aproximadamente R$ 7 milhões, sem computar o valor gerado pelas novas transações comerciais.
Cidades como Barreiras, Vitória da Conquista, Juazeiro, Senhor do Bonfim, Irecê, Camaçari, Simões Filho, Paulo Afonso e Lauro de Freitas estão na rota das empresas que apostam no franchising. “A população do interior do estado está ganhando força de compra. Temos que colocar a nossa marca onde tem consumo. Se tem uma cidade com força de consumo, a marca tem que estar presente”, disse Sylvio Korytowsk, diretor de expansão da Hope, empresa do segmento de vestuário e acessórios especializada em lingeries. 
A marca, que tem ampliado a participação no Nordeste como um todo, possui seis lojas em Salvador e, desde o ano passado, começou um projeto de expansão para o interior. “Em 2012, abrimos uma franquia em Feira de Santana. Agora, pretendemos abrir duas novas lojas em Barreiras e Vitória da Conquista”, contou Korytowsl. A Hope possui 118 unidades no Brasil todo e chegou à Bahia em 2008. No Nordeste, são 16 lojas. “Até o final de 2015, queremos chegar a 68 lojas. Muitas delas serão em cidades do interior baiano”, afirmou. (Correio)