28 de junho de 2013

Reforma Política pode definir voto distrital para escolha de deputados

Os deputados estaduais e federais poderão ser escolhidos por região, caso seja aprovado o voto distrital na reforma política que começa a ganhar força. A presidenta Dilma Rousseff quer que seja realizado plebiscito para que a população decida os ajustes que serão feitos na política brasileira. Ainda não há estimativa se as mudanças já seriam válidas para 2014.
Com o voto distrital, o país é dividido em determinado número de distritos eleitorais. A região do Piemonte Norte do Itapicuru poderia ser um exemplo. Neste caso, teria um número definido de deputados estaduais e federais que a representaria. Os eleitores dos municípios, então, votariam em candidatos da região.

A presidenta vai encaminhar ao Congresso, na próxima semana, o pedido para que o plebiscito seja feito. O documento conterá as linhas gerais do que deve ser tratado na consulta popular. A partir daí, o Senado elaborará as perguntas à população, após negociação com deputados, partidos políticos, movimentos sociais, Ordem dos Advogados do Brasil e demais instituições representativas.

Além do voto distrital, entre as perguntas que devem ser propostas ao eleitorado estão mandato de cinco anos para presidente sem direito à reeleição, fim das coligações partidárias e o financiamento público de campanha. Neste último item, a proposta é proibir que grandes empresas, como empreiteiras, ofereçam recursos para campanhas políticas. Para muitos, isto gera cobranças futuras e pode estimular a corrupção.