13 de maio de 2013

Bioterrorismo: lagartas atacam plantações de algodão na Bahia

Uma praga de lagartas Helicoverpa Armigera está atingindo plantações de algodão e soja em nove municípios do Oeste baiano e outros quatro estados brasileiros - Paraná, Goiás, Piauí e Mato Grosso -, segundo a Secretaria Estadual da Agricultura (Seagri). Os prejuízos já ultrapassam mais de R$ 1 bilhão e compromete 228 mil hectares de algodão apenas na Bahia.

Há suspeitas de que o problema pode estar ligado ao bioterrorismo. O caso, inclusive, está sendo investigado pela a Polícia Federal (PF) e pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) investigam a suspeita. De acordo o titular da Seagri, Eduardo Sales, há risco do problema atingir outras regiões do Brasil.

Ele se reuniu com promotores do Ministérios Públicos do Estado (MPE) e do Trabalho (MPT), com o diretor geral e do diretor de Defesa Vegetal da Adab, Paulo Emílio Torres e Armando Sá; produtores e secretários de Agricultura, de Saúde e do Meio Ambiente dos municípios de Barreiras, São Desidério, Luís Eduardo Magalhães, Baianópolis, Formosa do Rio Preto, Riachão das Neves, Correntina, Jaborandi e Cocos.

A reunião tratou das regras para aplicação do produto Benzoato de Amamectina, que já foi usado em outros países no combate à Helicoverpa. O produto deve chegar na quarta (15), mas só deve ser utilizado em 10 propriedades para análise de testes. Só depois, poderá ser usado nas lavouras atingidas. As autoridades afirmam que esse tipo de praga, quarentenária A1, não existia no país.