11 de março de 2013

Nova legislação e custos reduzem número de domésticas no país

Como viver e trabalhar fora numa grande cidade sem a ajuda de trabalhadores domésticos? A pergunta ronda brasileiros de classe média que, nos últimos anos, viram as empregadas escassearem e encarecerem - seus rendimentos tiveram o maior avanço dentre as categorias profissionais em 2012.Ainda é pouco comparado a Paris, onde uma faxineira custa até R$ 50... por hora. Em Washington, são R$ 40. Em Buenos Aires, R$ 16. Nas três cidades, só os muito ricos têm empregados fixos. A classe média contrata diaristas e perde em média duas horas por dia cuidando da casa, da comida e da roupa. O tempo dobra se for uma mulher casada e com filhos.
Na França, país que tem uma das legislações trabalhistas mais restritivas do mundo, ter um empregado doméstico em tempo integral é um luxo a que muito poucas pessoas podem se dar. Em média, as empregadas recebem entre € 12 (R$ 30) e € 15 (R$ 38) por hora. O valor chega a € 20 (R$ 51) por hora se a contratação for por meio de uma agência de empregados domésticos. (Uol)