8 de março de 2013

Eleição do novo papa será realizada a partir de terça-feira

O conclave que irá eleger o sucessor de Bento 16 terá início no dia 12 de março. Uma missa para o próximo papa será celebrada na Basílica de São Pedro na manhã de terça e os cardeais eleitores ingressarão na Capela Sistina à tarde. A informação foi confirmada pelo Vaticano na tarde desta sexta-feira. A escolha será realizada por 115 cardeais, todos já estão no Vaticano, inclusive os cinco brasileiros (dom Raymundo Damasceno Assis, 76; dom Odilo Scherer, 63; dom Geraldo Majella Agnelo, 79; dom Cláudio Hummes, 78; e João Braz de Aviz, 64).São aptos a votar apenas os religiosos que têm menos de 80 anos. A participação, segundo o Vaticano, é obrigatória. Na congregação realizada nesta manhã, porém, os 153 cardeais presentes votaram por aceitar o pedido de ausência de dois eleitores que não poderão comparecer. O cardeal indonésio, Julius Darmaatjadja, arcebispo emérito de Jacarta, havia comunicado que não poderia comparecer ao conclave por motivo de saúde. Já o cardeal Keith O'Brien, que renunciou ao cargo de arcebispo de St. Andrews e Edimburgo após ser acusado de "comportamento inadequado" nos anos 80, também manifestou que não irá participar do conclave. Ele admitiu que sua "conduta sexual" não foi sempre a que se esperava dele.
Segundo o porta-voz do Vaticano, padre Frederico Lombardi, não há nenhuma determinação que fixe um número de dias entre o fim das congregações e o início do conclave. Como exemplo, ele observou que, em 2005, a última reunião entre os cardeais aconteceu no dia 14 de abril e o conclave teve início três dias depois.

Funcionamento do conclave

Todos os eleitores ficaram confinados durante todo o conclave. Cada cardeal escreve o nome do candidato escolhido em uma cédula sob a frase "Escolho como sumo pontífice" e deposita seu voto em uma urna. Os nomes escritos nas cédulas são lidos em voz alta pelo camerlengo e seus três assistentes.
É declarado papa aquele que obtiver dois terços mais um dos votos dos cardeais. Nesta eleição, com um colégio de cardeais com 115 eleitores, o próximo pontífice terá que receber ao menos 77 votos. Se nenhum cardeal receber a quantia necessária, as cédulas são queimadas, uma fumaça preta sai da chaminé da Basílica de São Pedro e a votação é retomada. Se os cardeais não chegarem a um consenso até o quarto dia de votação, uma pausa será feita para oração e diálogo entre os eleitores. (Uol)